Alcântara defende PSD de Itabuna com propostas e sem paixões

    Alcântara nunca tinha se filiado a nenhum partido (Foto: Arquivo)

Reunir pessoas que gostem de discutir política e apresentar propostas para Itabuna, sem necessariamente disputar cargos eletivos. Eis o objetivo do empresário Alcântara Pellegrini, que acaba de se filiar ao PSD e já foi escolhido presidente do diretório municipal.

Ouvido pelo Diário Bahia, ele informou que a posse está prevista para o início de setembro. A data depende da disponibilidade do senador Otto Alencar, maior liderança da sigla no estado.

Mas Alcântara já se movimenta para atrair nomes que, como ele, nunca estiveram presos a partidos. É o caso do bioquímico Eric Ettinger, ex-provedor da Santa Casa, e do empresário Ronaldo Abude, ex-presidente da Associação Comercial de Itabuna.

“Queremos uma nova postura na política; nossa meta é que não venha com bandeira, é atrair pessoas que pensem no coletivo, sem atender a orientação de A, B ou C”, afirmou, numa referência às paixões partidárias. Até então, nunca se filiou a uma sigla, apesar de ter sido sempre próximo ao DEM.

Para somar

Sobre os correligionários – hoje o PSD tem 780 filiados no município –, Alcântara lembrou a lealdade de Joselito Jovita (Dr. Zezinho) e Leonardo Soussa (Léo da Saúde), firmes e unidos mesmo quando o PSD foi desfeito nas convenções da campanha anterior.

O novo presidente disse que “chega para somar” e não deseja candidaturas, mas está aberto a apoiar pretensões dos seus partidários. “Se a gente descobrir pessoas que se destaquem, será ótimo”, sinalizou.

Discussão sobre mobilidade

E Alcântara Pellegrini já expõe ideias. Um primeiro plano é trazer um especialista para discutir mobilidade urbana. Afinal, as questões do trânsito, incluindo a falta de estacionamento, estão entre os problemas mais relatados na cidade.

Os frutos da discussão, explicou, podem ser propostos ao atual governo municipal – ou a um próximo. “Nós queremos contribuir. Itabuna não foi planejada e ninguém se preocupa com isso”, alfinetou.

Por fim, deixou claro que um dos pontos determinantes para a ida dele ao PSD foi a garantia de que não haverá interferência no diretório municipal, o que inclui a liberdade para apoiar até candidatos de outras legendas.