Após 14 anos, Itabuna não realiza Parada Gay

A Parada Gay foi realizada por 14 anos consecutivos em Itabuna
José Dantas e Itamar (Zezé) Santos estão à frente do Grupo Humanus

A tradicional Parada Gay, realizada pelo Grupo Humanus por 14 anos consecutivos em Itabuna, não deverá acontecer em 2017, devido à falta de apoio logístico do governo municipal. “O presidente da FICC (Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania), Daniel Leão, nos disse que não há recursos”, disseram ao Diário Bahia o presidente do referido grupo, Itamar Santos (Zezé), e o vice-presidente, José Dantas.

Eles sentiram a necessidade de tornar pública a situação, devido aos questionamentos vindos de toda a região e à expectativa de a mobilização acontecer no Dezembro Vermelho – mês de conscientização contra as ISTs (Infecções Sexualmente Transmissíveis).

“Nossa luta é pela conquista dos Direitos Humanos, as questões de gênero e para levar ações de prevenção, distribuição de preservativos, testes rápidos“, resumiram, sobre o trabalho desenvolvido em todas as edições da Parada Gay.

Estrutura

Zezé e Dantas explicam que, até então, a Prefeitura contribuía com a logística para a realização da Parada da Diversidade, oferecendo: trio elétrico, elevados e banheiros químicos. Quando ocorreu o Miss Gay, nos dois anos anteriores, foi garantido palco, camarim e passarela.