Itabuna: Golpe do falso dentista continua na polícia


Inquérito deve ficar pronto em 20 dias; clínica segue aberta no bairro S. Caetano


Paulo Enrico Almeida, acusado de falsidade ideológica

 O pesadelo que viveu o marceneiro itabunense Frank Andrade Santos, após pagar R$ 6.700,00, por implantes com o falso dentista Paulo Enrico Almeida, é um dos depoimentos para a polícia indiciá-lo à Justiça. Segundo o delegado Humberto Matos, o inquérito a ser concluído em 20 dias formalizará denúncia por estelionato, falsidade ideológica, associação criminosa e fornecimento indevido de receitas.

Como uma das dez pessoas ouvidas, Frank contou que foi submetido aos procedimentos na clínica Hospital do Dente, bairro São Caetano, com o suposto dentista, há cerca de sete meses. Três dias depois de um implante, porém, ele foi parar na UPA (Unidade de Pronto-Atendimento) de Itabuna, com hemorragia, mal-estar, febre e dor de cabeça. E o quadro de infecção foi constatado por um dentista verdadeiro.

Investigação em andamento

A polícia foi acionada e já apreendeu, na casa do falso dentista e na clínica, materiais usados por ele, jalecos, bem como máquinas de cartão de crédito. E segue aberta para receber novas queixas, ao tempo em que também ouve possíveis cúmplices do acusado.

“A clínica mudou de nome para alguém também sem responsabilidade técnica; soa como uma tentativa de se desvencilhar das responsabilidades penais e a polícia novamente representa pelo fechamento, até que apresente profissionais especializados para fazer implantes”, avisa o delegado.

De acordo com o presidente do CRO (Conselho Regional de Odontologia), Pedro Breda, o órgão vem recebendo denúncias contra falsos dentistas desde o ano passado e medidas administrativas vêm sendo adotadas.

A defesa de Paulo Enrico Almeida alega que ele apenas estava presente, mas não foi o responsável pelo implante realizado no marceneiro Frank Andrade Santos.