Ministério Público pede cadeia para falso dentista em Itabuna


Pelo menos 15 pessoas prestaram queixa; uma delas pagou R$ 20 mil por um implante que se revelou mal feito


Paulo Enrico Almeida se passava por dentista, mas sequer concluiu a faculdade

O Ministério Público entrou no caso do falso dentista Paulo Enrico Almeida, acusado de cometer barbaridades com clientes em Itabuna. Foi pedida à Justiça a prisão preventiva do suspeito e a decisão deve sair em até 30 dias.

Um conjunto de depoimentos prestados à Polícia Civil dá noção do procedimento irregular que chegou a extrair nove dentes de uma só vez em uma vítima, além de cobrar dela R$ 20 mil por implantes que se revelaram mal feitos. Um primeiro pedido de prisão foi feito pela própria PC, através do delegado Humberto Matos, mas o pleito foi negado pela Justiça.

Antes de o inquérito ser concluído, 15 pessoas haviam prestado queixa dando conta da extorsão praticada numa clínica chamada Hospital do Dente, no bairro São Caetano. Na referida peça jurídica, ele é apontado por estelionato, falsidade ideológica, associação criminosa e fornecimento indevido de receitas. Em contrapartida, a defesa alega que o acusado apenas acompanhou os procedimentos, mas não foi responsável por eles.