VAIAS

– PARA o corte do adicional por atividade complementar (AC) para os professores da rede municipal de Itabuna, sem que houvesse um aviso com antecedência razoável. O sindicato da categoria sustenta que só foi informado da medida quando a folha de pagamento estava pronta há dias. Vale lembrar que a mudança representa 20% a menos no salário. Há professores que já preveem usar o décimo terceiro para equilibrar as contas. E a categoria protesta. Assim repentinamente foi, no mínimo, uma postura injusta.

– PARA os frequentes episódios de violência dentro das escolas, também, em Itabuna. Ver um aluno levar uma cápsula de bala para decorar o lápis, como forma de intimidar um(a) professor(a), é algo apavorante. Porque mostra o quanto estão vulneráveis aqueles profissionais encarregados de ajudar a construir o saber. Lamentável!

– PARA os termos do esboço de reforma política, recém-aprovada pelo “nosso” Congresso Nacional. Entre os tantos pontos a se questionar, a destinação de 30% das emendas de bancada para o tal fundo eleitoral – fonte para financiar campanhas políticas. Para se ter ideia, 1,35 bilhão de reais do orçamento de 2018 serão destinados às referidas campanhas. Em contrapartida, se fossem bem utilizadas, as emendas seriam uma forma de os parlamentares contribuírem com obras para as regiões que lhes garantiram o cargo. O que mais vem por aí?