COMPORTAMENTOS POLÍTICOS


Lembro-me, perfeitamente, da velha época que o analfabeto não tinha o direito de votar.


*Antonio Nunes de Souza*

De quatro em quatro anos, temos a desdita e sofrida aventura de lidar com os gananciosos políticos e novos pretendentes, todos se proclamando homens de bem, trabalhadores e, logicamente, muitos dizendo-se preocupados em resolver todas as necessidade e pendências deixadas pelos governos passados! 

Essa dinâmica repetitiva, mesmo sempre apresentando resultados deploráveis, os descuidados eleitores e os interessados em adquirir vantagens, terminam reelegendo muitos deles, ou caindo nas lábias dos novos aparecidos. Infelizmente, nada muda na mentalidade do nosso brasileiro, pois não olham a eleição como uma oportunidade de colocar pessoas que, realmente, sejam dedicadas, honestas e merecedoras de exercer os diversos e importantes cargos!

Lembro-me, perfeitamente, da velha época que o analfabeto não tinha o direito de votar. Depois de muita discursão dos legisladores, foi dada a abertura e direito a essas pessoas, em vez de, na verdade, educa-las oferecendo escolaridades em abundância. Óbvio que sendo com graus de educação baixíssimos, são mais fáceis de serem enganadas. Essa é uma das mais vergonhosas atitudes políticas do nosso país!

E, curiosamente, os próprios e semianalfabetos nem se preocupam mais com essa questão. Já se habituaram a votar acompanhando seus patrões, escolhendo aqueles que se identificam com suas educações domesticas e comportamentos, acreditando que esses é que são os “caras” que olharão por eles de igual para igual. Um triste e ledo engado, já repetido centenas de vezes, mas, pouco assimilado pelo próprio povo!

Sendo, mais que lamentável, os sofrimentos constantes que temos, graças a essas falhas dos próprios eleitores que, raramente, analisam, ou pesquisam das vidas dos candidatos novos, nem os comportamentos daquelas raposas políticas que querem se reeleger para continuar mamando nas tetas do governo e, incrivelmente, abrir caminho para seus filhos e parentes na mesma área, como se o país ainda estivesse no tempo das capitanias hereditárias!

Infelizmente, se você não se predispor a auxiliar o povo, dando esclarecimentos, exemplos, etc., certamente jamais conseguiremos melhorar as equipes de nossos administradores e legisladores. Temos que ter a sensatez e paciência, para ajudar nosso Brasil a crescer com grandeza e respeito mundial. Parar essa triste vergonha de servirmos de deboche internacional, como está acontecendo agora!

Mesmo com a repressão da endemia, as ruas já começaram a receber os pequenos movimentos de campanha, com as distribuições de “santinhos”, carros de som, cartazes nos carros, entrevistas em jornais, rádios e tv e outras coisas mais pertinentes ao que se propõe!

Nada custa você ser um anjo da guarda brasileiro, abrindo os olhos daqueles que, lamentavelmente, não tiveram a escolaridade suficiente para saber escolher quem melhor lhe representará e oferecerá benefícios as comunidades! 


*Escritor-Historiador-Membro da Academia Grapiúna de [email protected]ot.com