NADA É IMPOSSÍVEL!


O sonho, no meio da madrugada, do escritor Antônio Nunes



Antonio Nunes de Souza*

Tem dias que você acorda no meio da madrugada, com uma serie de “prorra-louquices” na cabeça e, além de sorrir com suas elucubrações, resolve escrever, inclusive enfatizando uma ficção das mais estapafúrdias possíveis!

Esse foi exatamente o que me aconteceu e, mais que depressa, resolvi começar a colocar no papel, através do meu querido computador, a engenhosa possibilidade que ilustrou minha louca e criadora mente.

Lembro-me que nos anos sessenta tivemos uma grande movimentação com relação ao aparecimento de misteriosos “discos voadores” nos espaços aéreos de todo mundo. A terra ficou em pânico e assombrada, mas, embora com algumas fotos meio estranhas e obscuras, ainda não se acreditava, exatamente, em outras civilizações extra terrestre. Vivia-se na sombra da dúvida!

Nessa mesma ocasião, um diretor fez um filme de ficção muito genial, imaginando que um computador seria inventado pelos homens, para uma exploração no espaço sideral e, durante a viagem, dominaria a tripulação e todo comando da nave. O filme chamava-se “2001 – Odisseia no espaço”, dirigido por Stanley Kubrick, que tinha como música de fundo a fantástica melodia “Quem matou Zaratustra”, que até os nossos dias é um grande sucesso auditivo. O computador era do tamanho de um apartamento de dois quartos que, comparado aos de hoje, praticamente, todos são mais capazes (em termos) e verdadeiras miniaturas!

Suponho que, após as eventuais notícias de aparecimentos, nada comprovados publicamente, dizendo-se que os americanos já havia pegado uma nave, estando em segredo de estado e não podia ser divulgado, etc., porém, não passava de conjecturas e especulações!

 

Então, como todos nós sabemos, começando pelos americanos do norte e agora já por dezenas de países, gasta-se muitos bilhões de dólares anualmente com pesquisas, planos e projetos, enviando monstruosos foguetes e bases de espionagens flutuantes no universo, todos a procura de explorar a lua e o nosso vizinho planeta Marte, já pensando em moradia futura com vista para a terra, provavelmente, devastada e destruída pela maneira absurda e louca que é tratada!

 

Veja como são contraditória essas atitudes, completamente inexplicáveis: Temos aqui na terra milhares de áreas não exploradas, continentes que passam fome, doenças e todos os azares que se pode sofrer e, em vez de haver uma união de comportamento, uma solidariedade humana e cristã, deixando a terra mais fértil, feliz e tranquila, querem e continuam gastando fortunas, para fazerem conquistas espaciais.

Isso é cegueira, burrice, ganância ou, simplesmente, um genocídio em massa, pouco se incomodando com seus irmãos humanos?

Nos causa nojo ver semelhantes comportamentos, que cada dia são ampliados, poucos e raros são os que se pronunciam contra essa barbárie! 

Desse nosso repúdio explanado, imaginei até que, marcianos ou lunáticos, também com seus espíritos aventureiros, estejam de longe e as escondidas, enviando uma guerra bacteriológica, para, assim como nós, dominarem o nosso planeta.

Primeiro mandaram os reforçados mosquitos da “dengue”, em seguida a chicunguya, e nós nos acabando para combatê-los. E agora, vendo que nós sempre conseguimos escapar, mandaram a sua força máxima de bactericidas, essa tal da coronavírus, que está fazendo mais estragos do que um violento furacão. Onde procuramos uma cura eficiente e não estamos conseguindo, com eficiência tal antídoto! 

Parece uma ideia louca e absurda, porém, nesse e em outros mundos, tudo é possível! E nós, lamentavelmente, estamos merecendo uma lição, puxões de orelhas, tirar os antolhos e, como seres racionais, procedermos como seres especiais que somos e fomos criados!

Peço que não pensem que estou louco ou senil, pois, nesse desconhecido universo, sem dúvidas, “NADA É IMPOSSÍVEL!

 

*Escritor-Historiador-Membro da Academia Grapiúna de [email protected]ot.com

Tem dias que você acorda no meio da madrugada, com uma serie de “prorra-louquices” na cabeça e, além de sorrir com suas elucubrações, resolve escrever, inclusive enfatizando uma ficção das mais estapafúrdias possíveis!

Esse foi exatamente o que me aconteceu e, mais que depressa, resolvi começar a colocar no papel, através do meu querido computador, a engenhosa possibilidade que ilustrou minha louca e criadora mente.

Lembro-me que nos anos sessenta tivemos uma grande movimentação com relação ao aparecimento de misteriosos “discos voadores” nos espaços aéreos de todo mundo. A terra ficou em pânico e assombrada, mas, embora com algumas fotos meio estranhas e obscuras, ainda não se acreditava, exatamente, em outras civilizações extra terrestre. Vivia-se na sombra da dúvida!

Nessa mesma ocasião, um diretor fez um filme de ficção muito genial, imaginando que um computador seria inventado pelos homens, para uma exploração no espaço sideral e, durante a viagem, dominaria a tripulação e todo comando da nave. O filme chamava-se “2001 – Odisseia no espaço”, dirigido por Stanley Kubrick, que tinha como música de fundo a fantástica melodia “Quem matou Zaratustra”, que até os nossos dias é um grande sucesso auditivo. O computador era do tamanho de um apartamento de dois quartos que, comparado aos de hoje, praticamente, todos são mais capazes (em termos) e verdadeiras miniaturas!

Suponho que, após as eventuais notícias de aparecimentos, nada comprovados publicamente, dizendo-se que os americanos já havia pegado uma nave, estando em segredo de estado e não podia ser divulgado, etc., porém, não passava de conjecturas e especulações!

Então, como todos nós sabemos, começando pelos americanos do norte e agora já por dezenas de países, gasta-se muitos bilhões de dólares anualmente com pesquisas, planos e projetos, enviando monstruosos foguetes e bases de espionagens flutuantes no universo, todos a procura de explorar a lua e o nosso vizinho planeta Marte, já pensando em moradia futura com vista para a terra, provavelmente, devastada e destruída pela maneira absurda e louca que é tratada!

Veja como são contraditória essas atitudes, completamente inexplicáveis: Temos aqui na terra milhares de áreas não exploradas, continentes que passam fome, doenças e todos os azares que se pode sofrer e, em vez de haver uma união de comportamento, uma solidariedade humana e cristã, deixando a terra mais fértil, feliz e tranquila, querem e continuam gastando fortunas, para fazerem conquistas espaciais.

Isso é cegueira, burrice, ganância ou, simplesmente, um genocídio em massa, pouco se incomodando com seus irmãos humanos?

Nos causa nojo ver semelhantes comportamentos, que cada dia são ampliados, poucos e raros são os que se pronunciam contra essa barbárie! 

Desse nosso repúdio explanado, imaginei até que, marcianos ou lunáticos, também com seus espíritos aventureiros, estejam de longe e as escondidas, enviando uma guerra bacteriológica, para, assim como nós, dominarem o nosso planeta.

Primeiro mandaram os reforçados mosquitos da “dengue”, em seguida a chicunguya, e nós nos acabando para combatê-los. E agora, vendo que nós sempre conseguimos escapar, mandaram a sua força máxima de bactericidas, essa tal da coronavírus, que está fazendo mais estragos do que um violento furacão. Onde procuramos uma cura eficiente e não estamos conseguindo, com eficiência tal antídoto! 

Parece uma ideia louca e absurda, porém, nesse e em outros mundos, tudo é possível! E nós, lamentavelmente, estamos merecendo uma lição, puxões de orelhas, tirar os antolhos e, como seres racionais, procedermos como seres especiais que somos e fomos criados!

Peço que não pensem que estou louco ou senil, pois, nesse desconhecido universo, sem dúvidas, “NADA É IMPOSSÍVEL!


*Escritor-Historiador-Membro da Academia Grapiúna de [email protected]ot.com